terça-feira, 6 de abril de 2010

Comeu, morreu !!!

No japão a expectativa de vida é a maior do mundo. Dizem que uma das razões é a dieta saudável adotada por lá.

Mas alguns japoneses e outros asiáticos gostam de viver perigosamente. Ops, de "comer perigosamente" e arriscam uns aninhos por uma dose letal (ou quase) de adrenalina.

Dos alimentos perigosos da Ásia, quatro merecem destaque porque são mais populares. Vou listar aqui no post para que nenhum turista desavisado caia de boca num prato do tipo "comeu, morreu".

Durian

Durian é uma fruta exótica de sabor e odor muito intensos, que cresce no sudeste da Ásia.A fruta que tem ares de jaca, é gostosinha e doce, mas o cheiro... é uma mistura de queijo, com meia suja, gambá e outras coisas que nem convém citar.

Bem o cheiro é "de matar", mas não leva, de fato, ninguém para o caixão. É a combinação da fruta com álcool que se torna indigesta. Segundo pesquisas da Universidade Tsukuba, no Japão, o durian contém um composto parecido com o enxofre que torna mais difícil para o fígado quebrar as moléculas do álcool. Então, se a pessoa comer os dois juntos corre o sério risco de provocar danos ao fígado ou ter uma grave intoxicação alcoólica, que pode levar à morte.
 
Cérebro de macaco

Este quitute chinês pode causar uma enfermidade semelhante à da vaca louca: uma desordem cerebral caracterizada pela perda de memória, paralisia facial, tremores, ataques epiléticos e daí para pior.
 
Ratinhos à moda tailandesa

Os roedores - que são caçados nos campos alagados de arroz e não no esgoto - são apresentados nos cardápios em várias versões: fritinhos, grelhados e ensopados. Estes roedores podem não cair muito bem aos estômagos mais sensíveis e se, mal cozidos, causam diarréias e doenças bem mais sérias.

E por último, o mais letal de todos os peixes do mundo: o fugu.

A iguaria é muita apreciada pelos japoneses valentes. É que o peixinho esconde nas vísceras um veneno 1.250 vezes mais mortal que o cianureto. Se ele não for bem preparado... a morte é certa, não tem antídoto que dê jeito na toxina, que causa paralisia respiratória.

Para preparar o fugu, o cozinheiro precisa de uma licença especial - o curso dura de 2 a 3 anos - e somente 30 % dos candidatos passam no exame. Eles não podem cometer um errinho. Durante esse tempo, eles aprendem a preparar o peixe de maneira que não extermine a clientela. Ocorrem cerca de 100 casos de intoxicação por ano no Japão. Nem todos morrem. Os acidentes mais frequentes não são com os clientes, mas com os cozinheiros, já que eles tocam nas vísceras e na pele, que também contém veneno.

Fonte: Jornal O Globo, blog "Sushi de Banana"

Nenhum comentário: